Corte químico: saiba porque ocorre, como tratar e como evitar

corte quimico

A cada dia uma série de novos produtos e novos procedimentos chegam ao mercado da beleza e estética prometendo cabelos mais lisos, mais brilhantes, uma nova cor … e nós mulheres, claro, ávidas por novidades, estamos sempre dispostas a experimentá-los em nome da beleza, por isso é cada dia mais comum ouvirmos falar em corte químico.

O corte químico acontece por algum tipo de erro no procedimento de aplicação de química, seja por tempo de pausa inadequada, força ou excesso de produto alisante e, principalmente, pela incompatibilidade entre químicas; por isso quando for pintar, descolorir ou alisar os cabelos fique atenta aos produtos utilizados, se informe como deve ser o procedimento, relate quaisquer reações fora do padrão (como coceira, ardor, vermelhidão, bolhas, fumaça) e escolha um profissional qualificado para realizar o procedimento, pois esses cuidados irão garantir a beleza e a saúde das suas madeixas.

O problema ocorre quando há uma desestruturação dos fios, o cabelo muda sua estrutura normal, fica emborrachado, extremamente fino, frágil, elástico e vai se partindo. A quebra pode ser instantânea ou gradativa e pode acontecer em áreas isoladas e, nos casos mais graves, atingir todo o cabelo.

Quando o corte químico é imediato pode ser percebido no lavatório, nesse caso o profissional pode tomar providências para minimizar os danos; mas, na maioria das vezes, a quebra é gradativa, os fios vão se partindo aos poucos, o que é bem pior.

Causado pela fraqueza dos fios, pela reação com determinados produtos e principalmente por algum descuido das indicações e aplicações, o corte químico pode se dar de formas diferentes: queimando os fios, causando queda, quebra, perda de elasticidade, efeito chiclete, perda de volume; por isso, pelo bem dos seus fios, sempre relate o seu histórico de tratamento ao cabeleireiro, seus últimos procedimentos e os produtos que costuma usar.

Produtos e procedimentos incompatíveis

– Tioglicolato de amônio e derivados, como a etalonamina: não reagem bem com hidróxido de lítio, hidróxido de sódio e guanidina; é compatível com restrições com progressiva e descoloração;

– Guanidina não pode ser usada com hidróxido de sódio e em cabelos tingidos ou descoloridos; é compatível com restrições com hidróxido de sódio;

– Hidróxido de sódio é incompatível com o tioglicolato de amônio, coloração e descoloração; é compatível com restrições com guanidina e hidróxido de lítio;

– Hidróxido de lítio é incompatível com tioglicolato de amônio, coloração e descoloração; é compatível com restrições com hidróxido de sódio;

– Coloração é incompatível com guanidina, hidróxido de lítio e hidróxido de sódio;

– Progressiva é compatível com restrições com tioglicolato de amônio;

– Descoloração é compatível com restrições com tioglicolato de amônio e incompatível com guanidina, hidróxido de lítio e hidróxido de sódio.

– A ação prolongada da amônia enfraquece os fios deixando-os mais suscetíveis a quebras, portanto produtos à base de amônia não devem permanecer nos cabelos por um período superior a uma hora;

– Escovas progressivas à base de formol são incompatíveis com tinturas, então caso tenha progressiva, fique longe delas;

– O hennê é incompatível com qualquer outro tipo de química.

Como tratar o corte químico

Não há como colar e nem reverter o processo, mas existem formas de se recuperar os fios, confira:

Corte o cabelo danificado

Se o corte químico atingiu mais de 70% do cabelo, o ideal é cortar os fios, pois só assim seu cabelo poderá voltar a ganhar comprimento, caso contrário continuará se partindo aos poucos. Mas se afetou pouco o cabelo, corte um pouco do comprimento, apenas a partir de onde ocorreu o dano.

Lave os cabelos com atenção

Evite lavar os cabelos com grande frequência e utilize xampus e condicionadores hidratantes.

Evite calor excessivo

Não abuse do secador e na hora de escovar, utilize protetores térmicos. E, se for possível, evite a chapinha.

Invista em reconstrução

Faça hidratações semanais e cauterização a cada 15 dias para devolver a proteína e os aminoácidos essenciais para recompor a saúde dos fios.

Escolha um bom profissional

A melhor maneira de cuidar dos fios é escolher sempre bons profissionais para evitar maiores problemas. E, antes de iniciar qualquer procedimento, converse com o profissional, questione os resultados, explique os tratamentos e produtos químicos que já utilizou.

Invista em nutrição

Alguns óleos vegetais têm propriedades para fortalecer e recuperar cabelos danificados; para que o couro cabeludo receba os nutrientes necessários à saúde dos fios, como lipídeos, vitaminas, aminoácido, ácidos graxos, minerais e outras substâncias como a queratina –  essencial à recuperação da sua estrutura -, além de outros benefícios como hidratação, emoliência, poder antioxidante e anticaspa, entre outras propriedades terapêuticas, invista em óleos como ojon, argan, germén de trigo, rícino, pequi, cártamo, semente de uva, entre outros.

 Para evitar o problema faça um teste de mecha

Não existe uma forma 100% segura de avaliar os cabelos diante de um procedimento químico, por isso exija sempre um teste para avaliar a resistência do cabelo, assim você se resguarda de possíveis problemas desagradáveis. O teste é simples e rápido, o cabeleireiro aplica o produto em uma mecha, geralmente na nuca, e espera o tempo indicado pelo fabricante para retirá-lo e, após 24 horas avaliará o estado dos fios.

QUER CABELOS LISOS POR UM MÉTODO QUE NÃO AGRIDA OS FIOS? CONHEÇA O MIX OLEOTERAPIA BRASIL ALISAMENTO ORGÂNICO.

Oleoterapia Brasil

A OLEOTERAPIA BRASIL desenvolveu uma linha de produtos 100% naturais a base de óleos vegetais para oferecer o melhor da nutrição capilar a serviço da beleza dos seus cabelos.

2 comentários em “Corte químico: saiba porque ocorre, como tratar e como evitar

  • 24 de setembro de 2018 a 21:02
    Permalink

    Eu usei o alisante sfera e. Acabou meu cabelo não quero usa mas Química mas prescizo relaxa a raiz

    Responder
    • 25 de setembro de 2018 a 21:14
      Permalink

      Olá Adelaide,

      Com o grande poder de penetração os óleos vegetais preenchem a fibra capilar, deixa os fios mais pesados e, consequentemente, mais retos, promovem a hidratação, deixa os fios alinhados, reduz o volume, disciplina os fios, ameniza o frizz, suaviza ondas e soltam os cachos gradativamente e os resultados vão variar de acordo com a estrutura natural dos cabelos, sendo garantia de nutrição seja qual for o tipo de fio. Dê uma olhadinha no nosso Mix Alisamento Orgânico ele recupera o seu fio a ajuda a ter o efeito que você deseja.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *